sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Ah, a carência essa raposa...


Carência afetiva é uma merda. Se o amor te deixa, cego, surdo e mudo. A carência afetiva te deixa ridícula. E ela não acontece apenas pelo fato de se estar só e à procura. A “marvada” é sorrateira como uma dor de barriga daquelas que começam devagar, e depois tomam conta do teu corpo, dos teus pensamentos, numa espécie cruel de possessão. E você fica desperadamente vulnerável, procurando quem preencha a lacuna como quem procura o vaso sanitário na hora que vem o arrepio e te aperta a dor. Com a mesma rapidez que vem, vai embora. E, inevitavelmente a cagada sempre acontece.
Quando a tal da carência toma conta de nosso ser, é hora de bater os sapatinhos de rubi, seguir a estrada de tijolinhos amarelos e ir à procura do nosso Mico de Oz. É nessa hora que o bicho pega! Porque vem à tona todo o seu romantismo altruísta. É nêgo, porque nesse momento, até o Tiririca fica bonito, simpático e sensual. E a gente faz caridade mesmo. Então, você pega o seu Tiririca, passeia de mãos dadas, jura pras amigas que está apaixonada e ninguém entende nada. E aí, satisfeita a sua necessidade sentimentalógica, eis que você é sugada e viaja através de um túnel de luzes coloridas que te traz de volta do seu momento Dorothy Gale amestrada. Bom, não bastasse a ressaca moral e o trauma te carcomendo day after day, tem que agüentar piadinha sem graça da melhor amiga que, sempre está com você nos raros e fatídicos momentos que dá de cara com o “abençoado”. Como descer do salto nessas horas é pior, tu responde o cumprimento com um sorriso amarelo, o recorrente pensamento de: porque que ele fez isso comigo? e a vontade gritante de cortar o bilau do danado e dar pra macaco comer pensando que é banana! Afinal de contas, o que é uma rasteira no diabo pra quem já está no inferno? Hunf!.
Moral da história: Colega, se a vontade é de não repetir o autoflagelo, prepara o kit primeiros-socorros-anti-carência, e afixa as instruções na caixinha:
Por gentileza, camisa de força e um sossega leão até passar a lombra!!!!

5 comentários:

Eternessências disse...

Olá, Michelle!
Tenho lido seus comentários carinhosos lá no meu espaço e passo agora para agradecer a gentileza!
Quanto à carência... a vida e a maturidade vai nos ensinando a lidar com ela de forma mais inteligente.O importante é não nos recriminarmos ou nos culparmos por termos dado espaço ao que acreditávamos ser verdadeiro. Se não o foi, paciência!... E "bola pra frente"!...
Um final de semana maravilhoso para você!
Até mais!
Rose.

Lilás disse...

Ahhhh, essa foi boa!
Ainda bem que você é daquelas que reflete antes de ir pegando qualquer Tiririca da vida por aí!
beijos cariocas e uma ótima semaninha.

Sandra Su Araujo disse...

Ah, essa maldita carencia afetiva... geralmente acontece justamente quando vc entra naquela maldita fase de TPM, q muitos zombando de quem sofre, apelida de "Tenha Pena de Mim"...
sei oq é isso essa carencia me come o tempo e a paciencia, mas ela tbm se apresenta quando vc se joga de cabeça numa vida q vc julgava perfeita, msm sabendo q nada nessa vida é perfeito, mas ela tbm se disfarça de insatisfação, quando o q vc busca ou espera sai errado...
mas relaxa big friend, carencia é fato, ninguem nem os mais abastados estão livre dela!!!

é popr isso q quando estou carente, seja de sexo, amor ou de amigos eu busco o buteko mais proximo!!
nada como uma cerveja beeeeeeem gelada e um bom rockenroll não cure, ou pelo menos alivie a sensação.

Mas nada como um dia após o outro e uma ressaquinha no meio....kkkkk

bjos tiamo!

Jac Oliveira disse...

É verdade. A carência nos faz fazer cada coisa mesmo... nos faz até esquecer um pouco quem a gente é..
Guria, quer dizer que tu tens um baby!

Michelle Dangeli disse...

tenho Jac,um baby de 5 meses e meio!! Uma princesa linda!!