quinta-feira, 4 de setembro de 2008


Tão livre e tão presa
A calma inconstante que enlouquece.
O que meus olhos turvos não revelam
As cortinas transparentes transbordam.
Porque tantos desvios no caminho
Desatino quase racional
De querer o que é meu
De percorrer o caminho que escolher
Quero decorar as alamedas e esquinas
Pra sempre que vir, voltar
É, mesmo que nem sempre
Eu vá te encontrar.

2 comentários:

Markos disse...

Parabéns o blog ta muito bacana e com um perfil bem experimental alternativo..
Bjo!
Marcos Milhomens

Lilás disse...

Humm, gostei!
Esta menina vai longe é só querer.
beijo carioca